A Imigração não pode ser crime, o genocídio de Imigrantes tem de ser!

No passado dia 24 de Junho, estima-se que cerca de 2000 pessoas tenham tentado entrar no enclave espanhol de Melilla. A reacção violenta das forças policiais marroquinas e espanholas, numa acção conjunta não foi inédita. Os efeitos avassaladores que se lhe seguiram sim: no imediato 18 mortos, que nos dias seguintes já totalizavam 37 pessoas, a que se somaram centenas de feridos, muitos deles com gravidade. Muitos mais migrantes atravessaram já esta fronteira europeia, mas nunca antes com tão gritante violência – vítimas mortais imediatas, asfixiadas por esmagamento na vala que se segue à cerca da fronteira do enclave espanhol em território marroquino, e vítimas posteriores, por ferimentos de agressões directas de espancamento e ausência de assistência médica. E esta é uma fronteira particular, uma das fronteiras da Europa fora da Europa, testemunho de um passado colonial de ocupação, que se continua hoje como expressão territorial e política do colonialismo actual.

A situação vivida é o reflexo mais trágico da cooperação entre o estado marroquino e o espanhol e também a continuidade da política europeia, de externalização progressiva das suas fronteiras, militarização crescente das suas forças policiais e criminalização da imigração. O plano Frontex mantém-se como estratégia oficial conjunta em claro desrespeito com muitos dos princípios da União Europeia e da Organização das Nações Unidas. O contexto europeu e mundial das crescentes forças de extrema-direita normaliza estas práticas e fortalece-as.

Há mais de 8 anos, cerca de 400 delegados de vários países do mundo discutiram e aprovaram a Carta de Lampedusa. Já nessa época foi evidente a necessidade de romper com a política do Frontex e todos os mecanismos burocráticos, legislativos e de vigilância sobre os imigrantes, percebendo-se os efeitos perversos destes, sem qualquer impacto nas causas da imigração. Sugeriu-se à data, a liberdade total de circulação de pessoas, o fim das fronteiras, a regularização dos imigrantes, o acesso a todos os direitos sociais, culturais, económicos e com um maior enfoque sobre os direitos políticos, defendendo o direito de voto dos imigrantes para todas as eleições. Nada disto aconteceu. Milhares de mortos sim.

O Movimento SOS Racismo, também signatário da Carta de Lampedusa e ativamente comprometida com a defesa dos direitos dos imigrantes repudia veementemente a acção violenta de 24 de Junho. Repudia também a reacção do estado espanhol e marroquino, que valorizaram a cooperação entre as suas forças policiais e desculpabilizaram a violência das mesmas. O Movimento SOS Racismo exige uma investigação independente ao sucedido, com consequências legais para os actos criminosos cometidos, mas também com consequências políticas pela gravidade dos factos vividos que o tempo só tem confirmado serem políticas que não resolvem as causas da imigração e só agravam as condições dos migrantes. Mais sublinha, que num período, em que por outro motivo nesta mesma Europa se sentiu a urgência de dar resposta às populações migrantes, refugiados neste caso, do conflito que opõe a Ucrânia à Rússia, e se desenvolveram mecanismos inéditos de regularização dos mesmos, é urgente reclamar igual preocupação e capacidade de acção para este problema que se prolonga há demasiado tempo.  

Recuperar a Carta de Lampedusa e as suas propostas pode ser um caminho. O Movimento SOS Racismo exorta os responsáveis institucionais a que assumam a responsabilidade de criar e concretizar políticas que possibilitem uma imigração digna e segura e exorta à sociedade civil que assim o exija.

SOS Racismo

Organização sem fins lucrativos que combate o racismo na sociedade portuguesa. Tem como principais objetivos promover a reflexão, denunciar e intervir com vista a uma sociedade que respeita a igualdade de direitos para tod@s, sem discriminações.