Untitled

Notícia do Público e do Correio da Manhã: Quinze cidadãos de Leste foram ontem encontrados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) num contentor no porto de Lisboa, onde estavam desde quinta-feira com o propósito de imigrarem clandestinamente para o Canadá. De acordo com o SEF, os imigrantes, 12 homens e três mulhereXs, terão pago cada um mais de 500 euros pela possibilidade de embarcarem clandestinamente.

Untitled

Entrevista no Público: Alto Comissário está preocupado com o aumento da xenofobia em Portugal. O alto-comissário diz ainda estar solidário com a política de imigração do Governo, mas adianta que, quando sentir que ela colide com as posições da Igreja, se demite imediatamente. Finalmente, António Vaz Pinto justifica a nomeação de vários adjuntos. Relativamente aos motoristas ao serviço do seu gabinete, diz que não são quatro, como se noticiou, mas três, e que um vai ser dispensado.

Untitled

Notícia no Público: A Guarda Civil e Salvamento Marítimo deteve ontem de madrugada 142 imigrantes ilegais que estavam a tentar chegar às Canárias. Eram todos oriundos de África e já estavam bem próximos da costa de Lanzarote e Fuerteventura. Conforme avançou a edição “on-line” do diário espanhol “El Mundo”, a atenção das autoridades foi despertada pelo facto de três das cinco embarcações viajarem com excesso de ocupantes.

Untitled

Notícia do Jornal de Notícias: Algumas dezenas de populares e encarregados de educação da povoação de Teivas, na freguesia de S. João de Lourosa, nos arredores de Viseu, fecharam a cadeado, ontem, a escola do 1º Ciclo do Ensino Básico. O protesto, que impediu a abertura da escola e o acesso de professores e auxiliares de acção educativa, ficou a dever-se à alegada intenção das estruturas educativas de transferir, para aquele estabelecimento de ensino crianças de etnia cigana que frequentam a vizinha povoação de Rebordinho.

Untitled

Notícia do Correio da Manhã: Seis imigrantes de Leste estão a viver debaixo de um coreto em pleno centro da cidade de Braga. Não têm dinheiro, nem onde viver. Mostram-se muito fracos por causa da fome e queixam-se de terem sido explorados e votados ao desemprego e abandono. Dormem no cimento e sem resguardo, envoltos num cheiro nauseabundo.