Vem pertencer à nossa equipa!

Função: Técnico de Intervenção ComunitáriaYouth-1

Enquadramento:

O Catapulta E6G é um projeto de intervenção social no âmbito da 6ª Geração do Programa Escolhas, implementado no Centro Histórico do Porto. Tem como entidade promotora e gestora o Movimento SOS Racismo. Iniciará a sua atividade a 1 de Abril e terminará a 31 de dezembro de 2018.

O SOS Racismo está atualmente a recrutar um técnico com alguma experiência em projetos de intervenção social, para dinamização de atividades e acompanhamento psicossocial de jovens, com entrada imediata em Abril 2016.

Requisitos:

– Capacidade para trabalhar em equipa e com resiliência;

– Capacidade para estabelecer relações confiança e respeito mútuo com jovens e entidades parceiras;

– Capacidade para comunicar eficazmente com os jovens e os elementos significativos das suas redes sociais pessoais;

– Experiência em projetos de intervenção comunitária;

– Experiência de trabalho com jovens e com comunidades imigrantes/descendentes de imigrantes.

– Sentido de responsabilidade, capacidade de organização e pontualidade;

– Facilidade no trabalho em contexto de rua;

– Dinamismo, pro-atividade e criatividade;

– Rever-se na missão da entidade gestora e promotora.

– Capacidade de negociação e mediação de conflitos;

– Conhecimento do território

– Conhecimentos de informática na ótica do utilizador.

 Funções a exercer:

– Colaborar no planeamento, dinamização e avaliação de atividades no âmbito do projeto;

– Fornecer apoio psicossocial e desenvolver atividades promotoras de competências pessoais e sociais dos jovens;

– Desenvolver estratégias para a mobilização dos jovens para atividades de ocupação positiva dos tempos livres;

– Estabelecer relações de confiança e trabalho com os jovens da comunidade local, para desenho e implementação dos seus projetos de vida;

– Ajudar os jovens a identificar as suas necessidades e objetivos, e apoiar o desenvolvimento de um plano de apoio para atingir essas metas;

– Agir como mediador entre jovens e instituições da comunidade e apoiar a criação e desenvolvimento de projetos e ideias comunitárias;

Local de trabalho: Sé, Porto

Condições:

– Contrato a Termo Certo com a duração do projeto;

– 15 Horas semanais;

– Horário: 2ª, 3ª, 5ª e 6ª feira (flexível mas principalmente no período da tarde)

– Remuneração: 315 € (salário base)

– Início de trabalho: 1 de abril 2016

Processo de seleção: para resposta a esta oferta enviar Curriculum Vitae e Carta de motivação por correio eletrónico para catapulta.e6g@sosracismo.pt até ao dia 26 de Fevereiro de 2016, usar no Assunto a referência: #técnico.catapulta2016.

 

Mas afinal que é este membro da equipa fará?

Entre outras coisas, para além das tarefas “chatas” de planeamento e gestão… fazer crescer uma biblioteca comunitária, proporcionar as estratégias necessárias a criação de um Mercado Comunitário, aproximar os jovens das organizações locais (e vice-versa!), agir como mediador para impulsionar atividades no espaço publico envolvendo particularmente a comunidade imigrante, promover jogos e dinâmicas cooperativas que passem por usar o corpo como meio de expressão. E isto é só para começar….

13º “Meet” Racismo e cultura

Dia 26 de Fevereiro, pelas 19h30m
Rua Dom Luís de Noronha, 17, 1ºesq,Lisboa

Existe ou não diversidade e pluralidade cultural? Há ou não espaço a manifestações culturais das minorias étnicas no espaço público? Que espaços ocupam as suas obras nos meios de difusão cultural? Que visibilidades têm as obras que abordam esta temática? De que forma são tratados e representados as/os personagens na cultura do entretenimento? E quais os seus papéis?

Do cinema ao teatro, da música à banda-desenhada, neste meet conversaremos sobre o objecto do racismo, não apenas para analisar a cultura do racismo e de como o racismo cultural se manifesta e se socorre deste instrumento para discriminar certas formas de existir, mas também e sobretudo, perspectivar estratégias de combate de afirmação cultural para uma vivência social diversa e multi-cultural.

A conversa contará com a presença e contributo do Contador de histórias, actor, realizador Ângelo Torres.

18 de Dezembro – Ação, dia global da Europa!

Em 21 de novembro e 22 em Salonicco (Grécia), houve uma reunião entre voluntários ativos acerca das rotas de mogração e outras organizações dos Balcãs que trabalham com outras rotas (Ceuta e Melilha, Calais) e várias redes europeias (Migreurop, alternativas Europeia, Fórum Cívico Europeo, Blockupy, Solidar, Transform, Euromed).
Todas estas organizações decidiram promover um Dia Europeu de Ação em 18 de dezembro. O slogan será: Não para paredes, abrir as portas.
Aqui você tem a chamada:
Ativistas da Grécia, Balcãs Ocidentais e no resto da Europa que trabalham com pessoas em movimento reuniu-se em Salónica.
Eles propõem a todos – indivíduos, movimentos, organizações sociais, sindicatos – que não querem viver numa Europa escuro, injusta e antidemocrática e mundo para mobilizar e realizar ações em 18 de dezembro.
Não para paredes, abrir as portas
Paz, a democracia, a justiça social, a dignidade para todos.

Video desenvolvido para o SOS Racismo premiado no Epica awards

“Chegou ao fim mais uma edição dos Epica Awards, o festival de criatividade em que os jurados pertencem à imprensa especializada, como o Briefing. E a Havas, a única agência nacional a concurso, trouxe uma “prata” para Portugal.

A agência tinha dois trabalhos na corrida ao prémio – “Don’t Ignore” e “Stop” – mas apenas um foi premiado. Trata-se da campanha desenvolvida para a SOS Racismo que ganhou “prata” na categoria “Public Interest – Social”. Esta campanha esteve também em shortlist no El Ojo e nos Shot Awards, tendo ainda sido destacada por diversos sites internacionais de criatividade.

Ler mais: http://www.briefing.pt/criatividade/35082-havas-traz-prata-dos-epica-awards.html#ixzz3s2nQIZ1l

Lançamento da agenda SOS Racismo 2016 em Lisboa

Dia 18 de Novembro, 4ª Feira, 22h no MOB (espaço associativo na Rua dos Anjos, 12 F, Metro Intendente)
com António Guterres, Nuno Bio e Piménio Teles

Após as violentas agressões a habitantes da Cova da Moura, ocorridas no início de Fevereiro e sabendo que estes fatos apenas mostravam a ponta do icebergue da violência de estado desenvolvida, ao longo destas dezenas de anos, contra a população trabalhadora e pobre mas, sobretudo sobre as comunidades ciganas e de origem africana, o SOS Racismo resolveu este ano dedicar o Tema da sua Agenda Anual à denúncia desta violência.
A agenda contém todos os casos, de que há registo, de violência policial desde 1990, quando surge o SOS Racismo, até aos nossos dias. bem como textos mais desenvolvidos de algumas das situações.

Destacamos, de entre os textos que acompanham este levantamento, o passado em Alfragide, o massacre de Shaperville em 1960 e que veio a ficar como o Dia Internacional contra a Discriminação Racial, a violência sobre a Com. Cigana, as mortes do Kuku ou do MC Snake, o assassinato do Tony (Bela Vista, Setúbal) e que veio a culminar com a condenação de um fundador do SOS Racismo por suposta difamação dos Juízes, ou histórias da sinistra Esquadra das Mêrces (Bairro Alto).
Na Agenda pode-se encontrar ainda referências aos “Meets”, bem como à violência no Brasil ou EUA.

Em baixo, segue o link do evento, bem como o video sobre este tema lançado em Abril, já premiado em vários festivais internacionais de publicidade

https://www.facebook.com/events/944348548972190/