CICLO DE CINEMA DOCUMENTAL AMÉRICA LATINA – Zapatistas – 5 de Outubro

ZAPATISTA (2001)

Produção e direcção: BIG NOISE – www.bignoisefilms.com

Duração: 54m

Entrevistas a: Zack de la Rocha, Noam Chomsky, Mumia Abu Jamal, Daryl Hannah…

Zapatista é a versão definitiva da insurreição de Chiapas. É a história de um levantamento de indígenas maias, armad@s de paus e palavras, contra uma milícia do primeiro mundo. É a história de um movimento global que deteve 175 mil soldados federais, transformando a cultura política mexicana e internacional para sempre.



Untitled

Notícia do Diário de Notícias (internacional): Os partidos de extrema-direita, de Heinz-Christian Strache e Jörg Haider, foram os únicos que conseguiram ganhar votos nas legislativas antecipadas de ontem. Os cenários de coligação começam agora a ser discutidos e não está excluído que, como em 2000, os radicais entrem no Governo

Untitled

Notícia do Diário de Notícias: Incentivar a imigração de quadros qualificados. A confirmação de que o Ministério da Saúde vai contratar médicos estrangeiros para fazer face à falta de clínicos no sistema público é, à partida, uma boa notícia. Perante a debandada de clínicos para os hospitais privados, financeiramente mais atractivos, era urgente encontrar uma solução antes que o caos se instalasse.

SOS Racismo na apresentação pública do Observatório dos Direitos Humanos

JORNAL DA UMA – TVI
Domingo, 20 Julho, 2008
Foi apresentado, no Porto, o Observatório dos Direitos Humanos. Esta organização é o resultado de uma parceria alargada de diversas organizações sociais e tem como principal objectivo contribuir para a denúncia das violações dos Direitos Fundamentais, em Portugal. As declarações do SOS Racismo são de Pedro Ferreira.

CICLO DE CINEMA ASIÁTICO – The Bow de Kim Ki-Duk

28 de Setembro – 17 horas
THE BOW [HWAL] de KIM KI-DUK
Coreia do Sul, 2005, 89′ – cor

Nunca se disse tanto em tão pouco.
Um sexagenário (Jeon Seong-hwan) é o proprietário de um barco velho, estacionado em alto-mar, que aluga a grupos de pescadores. Com ele vive uma adolescente de 16 anos (Han), com quem pretende casar quando atingir a idade legal — 17. Num dos grupos de pescadores surge um rapaz, estudante universitário (Seo), que se interessa por ela. A rapariga parece corresponder. No entanto, sempre que os pescadores se querem aproximar demasiado da bela jovem, o velho usa o seu arco para os fazer mudar de ideias.
Quando nos deparamos com um filme em que meras trocas de olhares, sorrisos e lágrimas são capazes de contar, só por si, uma grande história de amor, então temos de reconhecer que estamos diante de uma pérola rara. The Bow é isso mesmo, um filme rarissimo, tanto pela sua originalidade como pela sua beleza.
A história de amor de um velho pescador e de uma jovem de 16 anos, que ele resgatou há dez anos e com quem pretende casar no seu próximo aniversário, poderia ter sido tratado de mil e umas maneiras, cheias de diálogos punjantes e performances avassaladoras. Mas Kim Ki Duk é um cineasta-poeta e aqui só é permitido falar quem está fora da história. Os personagens principais não abrem a boca. Não precisam. Comunicam através do olhar, do silêncio e de um arco, que tanto serve para fazer música, ao som das águas, como para espantar todos aqueles que quiserem quebrar esta união insólita.
Só que há um dia em que tudo é questionado. Parece que o silêncio já não diz tudo, e que há mais para descobrir, a ver. De dos, o jogo passa a três, e com este novo jogador tudo se complica. Os sorrisos tornam-se lágrimas, a dor invade caras alegres. A jovem percebe a importância do sexo, o velho percebe a sua impotência diante o fulgor dos novos. E quando tudo podia acabar mal, de forma corriqueira e pouco interessante, Kim Ki Duk entra no universo mistico e fantástico e desenha um final como poucos poderiam imaginar. Um final tão belo que até custa a acreditar. No final, The Bow fica na memória como um filme inesquecivel, e Kim Ki Duk consolida a sua imagem de ave rara no universo cinematográfico.
Um filme assustadoramente belo.

Han Yeo-reum (a rapariga) passa todo o filme com um sorriso vazio no rosto. Poderíamos admitir que tal deriva da particular condição da personagem, isolada num barco em alto-mar desde tenra idade, mas Kim Ki-duk não está interessado em explorar esses aspectos de psicologia. A expressão da actriz é a mesma de «Samaria», onde interpreta uma estudante que se prostitui para juntar dinheiro para uma viagem à Europa.

Kim Ki Duk nasceu a 20 de Dezembro de 1960 na Coreia do Sul. Recebeu o Korean Film Foundations Prize pelo argumento de Trespassing. The Isle (2000) é um dos filmes de culto do Fantas. Em 2003 surpreendeu com Spring, Summer, Fall, Winter… and Spring e, um ano depois, com 3-Iron. Seguiram-se The Bow e, em 2005 Samaritan Girl. Time foi um dos grandes filme de Cannes 2006.

Untitled

Notícia do Correio da Manhã: A alteração da lei eleitoral foi aprovada com os votos da maioria socialista e do PCP, num debate aceso entre socialistas e social-democratas sobre o voto por correspondência, que teve a abstenção do Bloco de Esquerda e os votos contra do PSD e do CDS-PP.